Carta da Terra no Brasil

Carta da Terra no Brasil
www.cartadaterra.com.br

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Publicación - CD Homenaje Virtual a Edgar Morin

Estimados colegas,

Es con alegría y regocijo que retomo el contacto con ustedes para anunciarles de la publicación en CD del Homenaje virtual a Edgar Morin.
La publicación lleva por título "Edgar Morin y el pensamiento complejo. Celebración homenaje en el 88º aniversario de Edgar Morin".

Podrán acceder a la información de la publicación desde el siguiente link:

El CD se distribuirá exclusivamente vía internet. Podrá ser descargado (en imagen ISO) libre y gratuitamente desde el siguiente enlace:

Agradeciéndoles nuevamente su humilde y cálida participación en este singular evento abierto y participativo,
les envío un cálido saludos desde la Argentina,

--
Leonardo G. Rodríguez Zoya
Comunidad de Pensamiento Complejo

Religar, religar, siempre religar
Hacia un pensamiento complejo del Sur

Buenos Aires - Argentina

web. http://www.pensamientocomplejo.com.ar/
blog. http://www.hojasdeviento.com.ar/
e. leonardo.rzoya@gmail.com
skype. lein.humanimal
msn. lg_rodriguez@hotmail.com

Relatorio da decada da paz, questionário para UNESCO e ONU



Relatório Mundial da Década da Paz, para que as Ongs Brasileiras possam responder ao questionário e participar deste importante documento, que será entregue a ONU e a UNESCO.

Abaixo , podem copiar o link do questionário e responder diretamente.

http://decade-culture-of-peace.org

CT + 10

Querida Betty y estrimados afiliados,

Gracias por las nuevas noticias referente a la celebración del Año de la Biodiversidad y del X Aniversario de la firma de La Carta de la Tierra.

En AVEPALMAS que me honra presidir tenemos desde hace muchos años el texto de LA CARTA DE LA TIERRA y tuve el placer de participar en los años 90 en las discusiones sobre el texto de la CT en el Parlamento Amazonico junto con otros distinguidos ambientalistas venezolanos. 

En Avepalmas tenemos el siguiente itinerario este año:

22 de abril: Día Mundial de la Madre Tierra. Estamos conforme en participar en el lanzamiento del año de la CT+10 - con encuentros locales simultáneos.  Una actividad principal se organizará en México (Actividades organizadas principalmente por el gobierno de México)  - Este evento va muy bien con el manifiesto que estamos promoviendo llamado Declaracion Universal de los Derechos de las Plantas porque el tema fue lanzado y aprobado en la Asamblea General de las NNUU el 22 de abril el año pasado:  los derechos de la Madre Teirra, los derechos de la Biodiversidad, de los Animales y las Plantas. 

Luego tenemos las siguientes fechas:

30 de mayo  Día del Arbol - siembra de árboles y palmas en varios sitios dentro y fuera de Caracas, tanto por AVEPALMAS como SADARBOL. 

5 de junio Día Mundial del Ambiente - Entrega del Premio de Conservación LA PALMA DORADA de AVEPALMAS en el Jardin Botanico de Caracas 

6 de junio - Entrega del Premio de Conservación Enrique y Elsa Tejera de SADARBOL - Sociedad Amigos del Arbol en el Jardín Botanico de Caracas

2-3 de julio V Encuentro de Jardines Botanicos, Coleccionistas y Viveros:  Simposio de Palmas, (fechas preliminares)  

7 de diciembre  Derechos de las Plantas  - firma del manifiesto: Declaracion Universal de los Derechos de las Plantas - ya tiene su fecha establecida por NU el 22-4.

En todos estos eventos podemos resaltar simultaneamente la Carta de la Tierra que a pesar de sus diez años sigue siendo poco conocida pero ha sido reconocida como excelente por los que la han leido

Tenemos la Carta de la Teirra en la siguiente dirección
http://www.avepalmas.org/carta_tierra.htm

y tenemos la Declaracion Universal de los Derechos de las Plantas en la siguiente:
http://www.avepalmas.org/portal/47.htm y en 15 idiomas bajo Derchos'Rights en http://avepalmas.org/principal.htm - tambien como programa pps en Youtubehttp://www.youtube.com/watch?v=aPbI2E_kZo8 Veo que somos tres afiliados en Venezuela y podriamos coordinar algo para el 22 de abril.

Finalmente - si tiene contacto con Mirian Vilela pido un cordial saludo para ella. Estaba con nosotros en Caracas hace muchos años.

Un abrazo y saludos cordiales,
Sven

c.c. Afiliados
       J.D. Avepalmas Centro Unesco


Quer comprar na Internet com segurança? Instale grátis o Internet Explorer 8.

Una visión para celebrar la Carta de la Tierra +10

Introducción

Este documento conceptual describe los planes de la Carta de la Tierra Internacional (CTI) para celebrar en el 2010 el décimo aniversario del lanzamiento de la Carta en el año 2000. La Carta de la Tierra+10 ofrece una oportunidad muy singular para ampliar el alcance y el impacto de la Iniciativa de la Carta de la Tierra en el ámbito mundial.

Se ha vislumbrado que durante el 2010 se celebrará al menos un encuentro importante sobre la Carta de la Tierra+10 en cada región del mundo. La CTI y sus socios de trabajo están organizando diversas actividades especiales en las que podrá participar mucha gente. Además, la CTI exhorta a sus afiliados, asesores, socios de trabajo y voluntarios a organizar encuentros locales, nacionales y regionales para celebrar la Carta de la Tierra+10.  La CTI tiene pensado lanzar la Carta de la Tierra+10 en una celebración especial que se llevará a cabo en México durante el Día de la Tierra, el próximo 22 de abril. Asimismo, la CTI insta a todos los miembros de su red a que consideren la idea de organizar encuentros y actividades especiales para celebrar la Carta de la Tierra durante ese día.

Propósito y objetivos

El propósito general de la Carta de la Tierra+10 es fomentar la misión, la visión, las metas y los objetivos estratégicos establecidos en el Folleto de la Iniciativa de la Carta de la Tierra. Las actividades y los proyectos en torno a la Carta de la Tierra+10 centrarán su atención en:

· Aumentar el grado de conciencia sobre la Carta de la Tierra y promover la comprensión de la misma;
· Ampliar la red de la Carta de la Tierra;
· Promover el diálogo, la colaboración y la acción para un futuro sostenible; y
· Compartir experiencias y establecer metas y objetivos para la próxima década.

El tema y el logotipo de la CTI para la Carta de la Tierra+10

La CTI ha adoptado el siguiente tema y un logotipo especial que se utilizarán en su página de Internet y en los materiales publicitarios de la Carta de la Tierra+10. La CTI insta a sus afiliados, socios de trabajo y otras personas e instituciones que estén organizando actividades y celebrando la Carta de la Tierra+10 a considerar el uso de este tema y del logotipo en sus materiales publicitarios. No obstante, la CTI también exhorta a sus afiliados, socios de trabajo y otras personas e instituciones a diseñar sus propios materiales para Carta de la Tierra+10, si consideran que un enfoque diferente del de la CTI sería más eficaz para promover la Carta de la Tierra en su comunidad, nación o región.

Tema: Diálogo, colaboración y acción para un futuro sostenible.

Es importante observar que el número diez en el logotipo podría hacer referencia a la primera década desde el lanzamiento de la Carta de la Tierra en el año 2000 y a la próxima década. En realidad, la Iniciativa de la Carta de la Tierra inició a finales de los años 80 y se debe reconocer este hecho durante las celebraciones de la Carta de la Tierra+10. Los colores del logotipo representan las cuatro partes de la Carta de la Tierra, el preámbulo y la sección concluyente del "Camino hacia Adelante".

El eslogan que utilizará el Grupo de Trabajo de Comunicaciones para sus actividades con los medios

Se ha establecido un Grupo de Trabajo de Comunicaciones, el cual se encuentra elaborando una campaña de la Carta de la Tierra+10 para los medios de comunicación y utilizará el lema "Se empieza con uno' (It starts with one), principalmente como parte de la estrategia de comunicaciones.  Si así lo desean, los afiliados y los socios de trabajo también pueden utilizar este eslogan en los materiales publicitarios de sus propias actividades de la Carta de la Tierra+10.

Calendario de las actividades de la Carta de la Tierra+10 durante el 2010

El siguiente es un calendario de las actividades claves que se están planificando. Las mismas serán posibles gracias al compromiso y la capacidad de diversas organizaciones socias que están trabajando con la CTI. Además, se deberán hacer esfuerzos para que algunas actividades en torno a la Carta formen parte de otros encuentros internacionales importantes (para lo cual ya está en marcha la creación de otro calendario).

Abril
Mayo
Setiembre
Octubre
Noviembre




22 de abril:

Lanzamiento del año de la CT+10 durante el Día de la Tierra



Encuentros locales simultáneos y una actividad principal en México



(Actividades organizadas principalmente por el gobierno de México)


28 y 29 de junio:

Actividad de gran trascendencia en Holanda



(Organizada por el NCDO y la CTI)






Del 16 al 20 de setiembre:

Festival de Australia-El Pacífico sobre la CT en Brisbane,

Australia



(Organizado principalmente por el Comité de la CT en Queensland, Australia)


Del 20 al 23 de octubre:

Conferencia del sureste asiático sobre la CT, a celebrarse en Taiwán



Sabiduría antigua, futuros sostenibles.



(Organizada principalmente por TESA)


Del 1° al  3 de noviembre:

Actividad de gran trascendencia en Ahmedabad, India



Clausura del año de la CT+10 y lanzamiento de las nuevas estrategias/ prioridades



(organizada por el Centro de Educación Ambiental y la CTI)

Participantes

·       El Consejo, los comisionados y los asesores de la Carta de la Tierra Internacional;
·       Los afiliados y los socios de trabajo de la Carta de la Tierra;
·       Los grupos de jóvenes y la red juvenil de la Carta de la Tierra;
·       Los grupos de trabajo y los voluntarios de la Carta de la Tierra; y
·       Las organizaciones y las personas interesadas.

Movilización de recursos

Los socios de trabajo que encabecen la organización de las actividades mencionadas con anterioridad, al igual que de las que se lleven a cabo en el ámbito local, se encargarán de la movilización de recursos y trabajarán conjuntamente con la secretaría de la CTI en el diseño y en la organización de tales actividades.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Haiti: teste para a Humanidade

Leonardo Boff
Teólogo
                                  
O desastre que se abateu sobre o Haiti, arrasando Porto Príncipe e matando milhares de pessoas e privando o povo das estruturas mínimas para a sobrevivência, representa um teste para a humanidade. Segundo os prognósticos dos que acompanham sistematicamente o estado da Terra, não demorará muito e seremos confrontados com vários Haitis, com milhões e milhões de refugiados climáticos, provocados por eventos extremos que poderão ocasionar uma verdadeira devastação ecológica e dizimar incontáveis vidas humanas. O Haiti pode ser um sinal do anjo exterminador que passa, sinistro, ceifando vidas.

É neste contexto que duas virtudes, ligadas à essência do humano deverão ganhar especial relevância: a hospitalidade e a solidariedade.

A hospitalidade, já o viu  o filósofo Kant, é um direito e um dever de todos, pois todos somos habitantes, melhor, filhos e filhas da mesma Terra. Temos o direito de circular por ela, de receber e de oferecer  hospitalidade. Estarão as nações dispostas a atender a este direito básico àquelas multidões que já não poderão viver em suas regiões superaquecidas, sem água e sem colheitas? O instinto de sobrevivência não respeita os limites dos estados-nações. Os bárbaros de outrora derrubaram impérios e os novos "bárbaros"de hoje não farão outra coisa, caso não sejam exterminados pelos ecofacistas que usurparam a Terra para si. Paro por aqui porque os cenários prováveis e não impossíveis são dantescos.

A segunda virtude é a solidariedade. Ela é inerente à essência social do ser humano. Já os clássicos do estudo da solidariedade como Renouvier, Durkheim, Bourgeois e Sorel enfatizaram o fato de que uma sociedade não existe sem a solidariedade de uns para com os outros. Ela supõe uma consciência coletiva  e o sentimento de pertença entre todos. Todos aceitam naturalmente viver juntos para juntos realizarem a política que é a busca comum do bem comum.

Devemos submeter à crítica o conceito da modernidade que parte da absoluta autonomia do sujeito na solidão de sua liberdade. Diz-se: cada um deve fazer o seu sem precisar dos outros. Para os seres humanos assim solitários poderem viver juntos precisam, de fato, de um contrato social, excogitado por Rousseau, Locke e Kant. Mas esse individualismo é ilusório e falso. Há que se reconhecer o fato real e irrenunciável de que o ser humano é sempre um ser de relação, um-ser-com-os-outros, sempre enredado numa trama de conexões de toda ordem. Nunca está só. O contrato social não funda a sociedade mas apenas a ordena juridicamente.

Ademais, a solidariedade possui um transfundo cosmológico. Todos os seres, desde os topquarks e especialmente os organismos vivos são seres de relação e ninguém vive fora da rede de inter-retro-conexões. Por isso, todos os seres são reciprocamente solidários. Um ajuda o outro a sobreviver - é o sentido da biodiversidade - e não necessariamente são vítimas da seleção natural. Ao nivel humano, ao invés da seleção natural, por causa da solidariedade, interpomos o cuidado, especialmente para com mais vulneráveis. Assim não sucumbem aos interesses excludentes de grupos ou de um tipo de cultura feroz que coloca a ambição acima da vida e da dignidade.

Chegamos a um ponto da história no qual todos nos descobrimos entrelaçados na única geosociedade. Sem a solidariedade de todos com todos e também com a Mãe Terra não haverá futuro para ninguém. As desgraças de um povo são nossas desgraças, suas lágrimas são nossas lágrimas, seus avanços são nossos avanços. Seus sonhos são nossos sonhos.

Bem dizia Che Gevara:"A solidariedade é a ternura dos povos". Essa ternura temos que exercer para com nossos irmãos e irmãs do Haiti que estão agonizando.

Leonardo Boff é autor de Hospitalidade: direito e dever de todos, Vozes (2005).

2010 sera el año para celebrar Carta de la Tierra+10

Hola Valeria, 
Espero que este mensaje te encuentre bien. Por favor permítame todavía desearte un feliz y saludable Año Nuevo.
Como sabes este año vamos estar celebrando el 10mo aniversario desde el lanzamiento de la Carta de la Tierra. Para esto hemos desarrollado un documento para guiarnos con un propósito común en nuestros esfuerzos múltiples durante 2010.  Esperamos poder contar con ustedes para usar esta ocasión de Carta de la Tierra+10 de forma muy creativa, con una visión para multiplicar el conocimiento sobre el movimiento de la Carta de la Tierra en acción y con esto mover algunos pasos adelante  en la transición hacia una sociedad más sostenible.
Por favor des una mirada en el documento adjunto, ahí usted verá que estamos recomendando el tema en común "Dialogo, Colaboración y Acción para un Futuro Sostenible" para ser utilizado en las actividades de Carta de la Tierra+10. El logo pronto lo tendremos en Español también.

Con el fin de brindar una idea muy muy general de los pasados 10 años hemos desarrollado un video tipo power point de 4 minutos con algunos eventos cronológicos. Esto ciertamente que no cubre todos los momentos claves ocurridos en esta ultima década, ya que no es la intención que esto sea un documento amplio y absolutamente completo.  Esto se trata simplemente de una presentación que nos brinda una idea general de algunos logros y actividades. Espero que ver estas imágenes sea algo que usted disfrute ver. La música de fondo fue creada por una artista que fue específicamente inspirada en la Carta de la Tierra. Por favor de una mirada en:

Esperamos que este año de Carta de la Tierra+10 nos ayude a ampliar el diálogo sobre lo que de hecho será necesario para crear un futuro más justo, sostenible y pacifico.

Por favor manténganos informados de las actividades que ustedes pretenden organizar.

Te deseo amor y alegría en este año y una vida llena de pasión y propósito en todo lo que hagas.
Con gratitud y respeto,

Mirian


Fique protegido enquanto navega na Internet. Instale o Internet Explorer 8.

CARTA DE LA TIERRA + 10


Estimados(as) Afiliados(as),

Espero se encuentren muy bien. 

Es un gusto adjuntar a este mensaje información importante acerca del concepto de CT+10 y el calendario de eventos.  Si tienen planeado algún evento, les agradeceríamos nos informaran lo más pronto posible. 

Quedo a sus órdenes en caso de duda.

Un abrazo,

Betty


 Español
Betty McDermott Dobles
Coordinadora de Proyecto para Ibero y Norte América
Secretaría Internacional de la Carta de la Tierra
Centro Carta de la Tierra de Educación para el Desarrollo Sostenible en UPAZ
San José, Costa Rica
Tel. (506) 2205 9060/Fax (506) 2249 1929
www.cartadelatierra.org





Quer navegar na Internet sem medo? Instale grátis o Internet Explorer 8.

Uma história épica: irmãs negras

Leonardo Boff
Teólogo

                                    
A Casa Grande e a Senzala não foram apenas construções sociais e físicas, dividindo por um lado os brancos, donos do poder e por outro, os negros, feitos escravos. Com a abolição da escravatura exteriormente desapareceram. Mas continuam presentes na mentalidade dos brancos e das elites brasileiras. As hierarquizações, as desigualdades sociais e os preconceitos têm nesta estrutura dualista sua origem e permanente realimentação.

A vida religiosa que se insere neste caldo cultural reproduziu em suas relações internas o mesmo dualismo e as mesmas discriminações. Durante todo o tempo da Colônia os que possuíam "sangue sujo", quer dizer, os que eram negros, indígenas ou mestiços, não podiam ser padres nem religiosos. Além de puro racismo, típico da época, argumentava-se que eles jamais conseguiriam viver a castidade. Esta discriminação foi internalizada nestas populações desumanizadas a ponto de  sequer pensarem em ser padres, religiosos ou religiosas.

As consequências perduram até os dias de hoje: a crônica falta de clero autóctone no Brasil. Pelo número de católicos, deveríamos ter pelo menos cem mil padres. Possuímos apenas 17 mil e muitos são ainda são estrangeiros.

 Mesmo com  a revitalização da Igreja brasileira através do processo de romanização inaugurada no final do século XIX com a vinda de congregações religiosas européias, as pessoas negras ou mestiças continuaram sistematicamente excluidas. Mas houve uma ruptura inauguradora. Em 1928 a Congregação das Missionárias de Jesus Crucificado, fundação genuinamente brasileira, de uma leiga piedosa Maria Villac, apoiada pelo bispo Dom Campos Barreto de Campinas, foi a primeira a abrir a porta de seus conventos a mulheres negras.

Mesmo assim, não escapou da influência da Casa Grande e da Senzala mental: houve a divisão clara entre as oblatas, irmãs negras ou de pouca instrução e as coristas, brancas e com instrução. Até o hábito era diferente, azul e branco para as coristas e preto para a oblatas. A missão destas que constituíam quase a metade da Congregação, era de servir às coristas, acompanhar seus trabalhos e assumir todas as tarefas domésticas de um convento, desde cozinhar, lavar a roupa até manter a horta e cuidar da criação de animais.

Por quarenta anos foi assim, até que se abriu a janela do aggiornamento do Concílio Vaticano II (1962-1965). Aboliram-se as divisões de tarefas, umas  nos trabalhos manuais e outras na vida apostólica. Como comentou Dom Odilon, bispo de Santos:"acabou-se a escravidão na Congregação".

Esta história foi recentemente pesquisada e escrita pelas próprias religiosas negras sob a orientação segura do historiador Pe. José Oscar Beozzo com o título:"Tecendo memorias, gestando o futuro: história das Irmãs Negras e Indígenas das Missionárias de Jesus Crucificado"(Paulinas 2009).

Qual é a originalidade deste livro? É mostrar o lento despertar da consciência das irmãs negras, de sua identidade étnica, de seus valores específicos e de sua espiritualidade singular, feito de histórias de vida narradas por irmãs negras, histórias de chorar, tal o nivel de discriminação e de humilhação.

Mas o que transparece não é amargura ou espírito de revanche. Ao contrário, é o de resgate  da memória de tudo o que se aprendeu nessa penosa caminhada e do lançamento das  bases para um futuro mais igualitário e respeitador das diferenças. Elas mostram que a identidade negra não precisa ser trágica, mas foi e pode ser épica: feita de uma sábia resistência e de um desabrochar lento mas seguro de seu próprio caminho de libertação. As religiosas negras emergem como verdadeiras heroinas e muitas delas com sinais inequívocos de santidade. Assim se supera uma visão miserabilista dos negros e negras e se realça sua inventividade, sua capacidade de ter alegria interior que se revela no riso e na festa, na música e na dança.

Esse livro vem preencher uma lacuna na historiografia negra na ótica da vida religiosa. Ele suscita admiração mais que compaixão, vontade de conquista mais do que resignação. Sua leitura nos edifica e nos faz humanamente mais solidários.

 Leonardo Boff é autor de Depois de 500 anos: que Brasil queremos. Vozes 2000.

    




Fique protegido enquanto navega na Internet. Instale o Internet Explorer 8.

Earth Charter News December 2009 - Interview with Jan Pronk, Lubbers and Boff articles on Climate Change, La Salle embraces the Earth Charter and more



December 2009
Para leer en español haga click aquí.
Watch interesting video interview with Jan Pronk
Earth Charter International is pleased to present an interview made with Jan Pronk, former Dutch Minister for Development Co-operation. Watch it in the ECInternational You Tube Channel Pronk's reflections on the Earth Charter, Climate Change and Rio+20. Click here to find the links for the videos.
 
Recent Articles on Climate Change
You will be inspired to read two interesting articles on the Copenhagen Climate Change talks, one from Leonardo Boff (Brazil) and the other one from Ruud Lubbers, Sayida Vanenburg, Sylvia Borren (The Netherlands). Click here to find the articles.


Parliament of the World's Religions Celebrated in Australia

From December 3 to 9, 2009, around 6.000 people from 220 different faiths and all corners of the world celebrated the Parliament of the World's Religions 2009 in Melbourne, Australia. The Earth Charter Task Force on Religion, Spirituality, and Ethics participated in the celebrations and organized two panel events on the Earth Charter. Click here for more information.
La Salle, Central America and Panama, embraces the Earth Charter
On December 7th, 2009 a small meeting took place at La Salle University in San Jose, Costa Rica, with the purpose of signing a collaboration agreement between La Salle Distrito de Centroamérica and Earth Charter International. With this agreement, La Salle universities and schools in Central America and Panama will be incorporating the Earth Charter as part of their work and education programmes. Click here for more.
 
Professor Klaus Bosselmann receives the first IUCN Annual Scholarship Award
Professor Klaus Bosselmann, Earth Charter Affiliate from New Zealand, received the first annual Scholarship Award as best researcher in the category of Environmental Law Academic with more than 10 years of experience. The award ceremony took place at the 7th Annual Colloquium of the IUCN Academy of Environmental Law, held in Wuhan, China, 4 November 2009. Click here for more information.

Finn Lynge of Earth Charter Greenland receives an award from the government
The Greenland government awards Finn Lynge a recognition for his work with the Earth Charter Greenland and for openly advocating against the Greenland environmental policies, considering them as incompatible with the Rio precautionary principle and with the vision enshrined in the Earth Charter. Click here for more.
You can forward this e-mail to a friend you know might be interested.
Sent by
Earth Charter International
San Jose, Costa Rica
email: info@earthcharter.org
http://www.earthcharter.org/
To Unsubscribe, please click here.



Quer fazer a bateria do seu notebook render mais? Clique aqui e descubra como.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

"Se não vos converterdes, todos perecereis"

Leonardo Boff
Teólogo

Disse Jesus nos evangelhos:"Se não vos converterdes, todos vós perecereis". Quis dizer: "Se não mudardes de modo de ver e de agir, todos vós perecereis". Nunca estas palavras me pareceram tão verdadeiras como quando assisti a Crônica de Copenhague, um documentário da TV francesa e passada num canal fechado no Brasil e, suponho, no mundo inteiro. Na COP-15 em Copenhague em dezembro último, se reuniram os representantes das 192 nações para decidir a redução das taxas de gases de efeito estufa, produtores do aquecimento global.
Todos foram para lá com a vontade de fazer alguma coisa. Mas as negociações depois de uma semana de debates acirradíssimos chegaram a um ponto morto e nada se decidiu. Quais as causas deste impasse que provocou decepção e raiva no mundo inteiro?
Creio que antes de mais nada não havia suficiente consciência coletiva das ameaças que pesam sobre o sistema-Terra e sobre o destino da vida. É como se os negociadores fossem informados de que um tal de Titanic estaria afundando sem se dar conta de que se tratava do navio sobre o qual estavam, a Terra.

Em segundo lugar, o foco não estava claro: impedir que o termômetro da Terra suba para mais de dois graus Celsius, porque então conheceremos a tribulação da desolação climática. Para evitar tal tragédia, urge reduzir a emissão de gases de efeito estufa com estratégias de adaptação, mitigação, concessão de tecnologias aos países mais vulneráveis e financiamentos vultosos para alavancar tais medidas. A preocupação agora não é garantir a continuidade do status quo mas dar centralidade ao sistema Terra, à vida em geral e à vida humana em particular.
Em terceiro lugar, faltou a visão coletiva. Muitos negociadores disseram claramente: estamos aqui para representar os interesses de nosso país. Errado. O que está em jogo são os interesses coletivos e planetários e não de cada pais. isso de defender os interesses do país é próprio dos negociadores da Organização Mundial do Comércio, que se regem pela concorrência e não pela cooperação. Predominando a mentalidade de negócios funciona a seguinte lógica, denunciada por muitos bem intencionados, em Copenhague: não há confiança pois todos desconfiam de todos; todos jogam na defensiva; não colocam as cartas sobre a mesa por temerem a crítica e a rejeição; todos se reservam o direito de decidir só no último momento como num jogo de pôquer. Os grandes jogadores se omitiram: a China observava, os EUA calavam, a União Européia ficou isolada e os africanos, as grandes vítimas, sequer foram tomados em consideração. O Brasil no fim mostrou coragem com as palavras denunciatórias do Presidente Lula.
Por último, o fracasso de Copenhague - bem o disse Lord Stern lá presente - se deveu à falta de vontade de vivermos juntos e de pensarmos coletivamente. Ora, tais coisas são heresias para  espírito capitalista afundado em seu individualismo. Este não está nada interessado em viver juntos, pois a  sociedade para ele  não passa de um conjunto de indivíduos, disputando furiosamente a maior fatia do bolo chamado Terra.
Jesus tinha razão: se não nos convertermos, vale dizer, se não mudarmos este tipo de pensamento e de prática, na linha da cooperação universal jamais  chegaremos a um consenso salvador. E assim iremos ao encontro dos dois graus Celsius de aquecimento com as suas dramáticas consequências.
A valente negociadora francesa Laurence Tubiana no balanço final disse resignadamente:"os peixes grandes sempre comem os menores e os cínicos sempre ganham a partida, pois essa é a lógica da história". Esse derrotismo não podemos aceitar. O ser humano é resiliente, isto é, pode aprender de seu erros e, na urgência, pode mudar. Fico com o paciente chefe dos negociadores Michael Cutajar que no final de um fracasso disse: "amanhã faremos melhor".
Desta vez a única alternativa salvadora é pensarmos juntos, agirmos juntos, sonharmos juntos e cultivarmos a esperança juntos, confiando que a solidariedade ainda será o que foi no passado: a força secreta de nossa melhor humanidade.

Leonardo Boff é autor de Convivência, Tolerância e Respeito, Editora Vozes (2007).

Pensar o ser humano depois de Auschwitz

Leonardo Boff
Teólogo


 
Recordamos neste ano os 65 anos do Holocausto de judeus perpretado pelo nazismo de Hitler e de Himmler. É terrificante a inumanidade mostrada nos campos de extermínio, especialmente, em Auschwitz na Polônia. A questão chegou a abalar a fé de judeus e de cristãos que se perguntaram: como pensar Deus depois de Auschwitz? Até hoje, as respostas seja de Hans Jonas do lado judeu, seja de J.B.Metz e de J. Moltmann do lado cristão, são insuficientes. A questão é ainda mais radical: Com pensar o ser humano depois de Auschwitz?   É certo  que o inumando pertence ao humano. Mas quanto de inumanidade cabe dentro da humanidade? Houve um projeto concebido pensadamente e sem qualquer escrúpulo de redesenhar a humanidade. No comando devia estar a raça ariana-germânica, algumas seriam colocadas na segunda e na terceira categoria e outras, feitas escravas ou simplesmente exterminadas. Nas palavras de seu formulador, Himmler, em 4 de outubro de 1943: "Essa é uma página de fama de nossa história que se escreveu e que jamais se escreverá". O nacionalsocialismo de Hitler tinha a clara consciência da inversão total dos valores. O que seria crime se transformou para ele em  virtude e glória. Aqui se revelam traços do Apocalipse e do Anti-Cristo.
O livro mais perturbador que li em toda minha vida e que não acabo nunca de digerir se chama: "Comandante em Auschwitz: notas autobiográficas de Rudolf Höss"(1958). Durante os 10 meses em que ficou preso e interrogado pelas autoridades polonesas em Cracóvia entre 1946-1947 e finalmente sentenciado à morte, Höss teve tempo de escrever com extrema exatidão e detalhes como enviou cerca de dois milhões de judeus às câmaras de gás. Ai se montou uma fábrica de produção diária de milhares de cadáveres que assustava aos próprios executores. Era a "banalidade da morte" de que falava Hannah Arendt.
Mas o que mais assusta é seu perfil humano. Não imaginemos que unia o extermínio em massa aos sentimentos de perversidade, sadismo diabólico e pura brutalidade. Ao contrário, era carinhoso com a mulher e filhos, consciencioso, amigo da natureza, em fim, um pequenoburgues normal. No final, antes de morrer, escreveu: "A opinião pública pode pensar que sou uma béstia sedenta de sangue, um sádico perverso e um assassino de milhões. Mas ela nunca vai entender que esse comandante tinha um coração e que ele não era mau".Quanto mais inconsciente, mais perverso é o mal.
Eis o que é perturbador: como pode tanta inumanidade conviver com a  humanidade? Não sei. Suspeito que aqui entra a força da ideologia e a total submissão ao chefe. A pessoa Höss se identificou com o comandante e o comandante com a pessoa. A pessoa era nazista no corpo e na alma e radicalmente fiel ao chefe. Recebeu a ordem do "Fuhrer" de exterminar os judeus, então não se deve sequer pensar: vamos exterminá-los (der Führer befiehl, wir folgen). Confessa que nunca se questionou porque "o chefe sempre tem razão". Uma leve dúvida era sentida como traição a Hitler.
Mas o mal também tem limites e Höss os sentiu em sua própria pele. Sempre resta algo de humanidade. Ele mesmo conta: duas crianças estavam mergulhadas em seu brinquedo. Sua mãe era empurrada para dentro da câmara de gás. As crianças foram forçadas a irem também. "O olhar suplicante da mãe, pedindo misericórdia para aqueles inocentes"- comenta Höss - nunca mais esquecerei". Fez um gesto brusco e os policiais os jogaram na câmara de gás. Mas confessa que muitos dos executores não aguentavam tanta inumanidade e se suicidavam. Ele ficava frio e cruel.
Estamos diante de um fundamentalismo extremo que se expressa por sistemas totalitários e de obediência cega, seja políticos, religiosos ou ideológicos. A consequência é a produção da morte dos outros.
Este risco nos cerca pois demo-nos hoje os meios de nos autodestruir, de desiquilibrar o sistema Terra e de liquidar, em grande parte, a vida. Só potenciando o humano com aquilo que nos faz humanos como o amor e a compaixão podemos limitar a nossa inumanidade.

Leonardo Boff é autor de Tempo de Transcendência: o ser humano como projeto infinito, Vozes (2009).
 

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Terra e Humanidade: uma comunidade de destino

Leonardo Boff
Teólogo

                         

Temos que começar o ano com esperança pois urge fazer frente ao clima de revolta e de frustração que significou a COP 15 de Copenhague. Seguramente o aquecimento global comporta graves conseqüências. No entanto, numa perspectiva mais filosofante, ele não se destinaria a destruir o projeto planetário humano mas obriga-lo a elevar-se a um patamar mais alto para que seja realmente planetário. Urge passar do local ao global e do nacional ao planetário.

Se olharmos para trás, para o processo da antropogênese, podemos seguramente dizer: a crise atual, como as anteriores, não nos levará à morte mas à uma integração necessária da Terra com a Humanidade. Será a geosociedade. Neste caso, estaríamos então, face a um sol nascente e não a um sol poente.

Tal fato objetivo comporta um dado subjetivo: a irrupção da consciência planetária com a percepção de que formamos uma única espécie, ocupando uma casa comum com a qual formamos uma comunidade de destino. Isso nunca ocorreu antes e constitui o novo da atual fase histórica.

Inegavelmente há um processo em curso que já tem bilhões de anos: a ascensão rumo à consciência. A partir de geosfera (Terra) surgiu a hidrosfera (água), em seguida a litosfera (continentes), posteriormente a biosfera (vida), a antropofesfera (ser humano) e para os cristãos a cristosfera (Cristo). Agora estaríamos na iminência de outro salto na evolução: a irrupção da noosfera que supõe o encontro de todos os povos num único lugar, vale dizer, no planeta Terra e com a consciência planetária comum. Noosfera como a palavra sugere (nous em grego significa mente e inteligência), expressa a convergência de mentes e de corações dando origem a uma unidade mais alta e complexa.

O que, entretanto, nos falta é uma Declaração Universal do Bem Comum da Terra e da Humanidade que coordene as consciências e faça convergir as diferentes políticas. Até agora nos limitávamos a pensar no bem comum de cada pais. Alargamos o horizonte ao propor uma Carta dos Direitos Humanos. Esta foi a grande luta cultural do século XX. Mas agora emerge a preocupação pela Humanidade como um todo e pela Terra, entendida não como algo inerte, mas como um superorganismo vivo do qual nós humanos somos sua expressão consciente. Como garantir os direitos da Terra junto com os da Humanidade? A Carta da Terra surgida nos inícios do século XXI procura atender a esta demanda.

A crise global nos está exigindo uma governança global para coordenar soluções globais para problemas globais. Oxalá não surjam centros totalitários de comando mas uma rede de centros multidimensionais de observação, de análise, de pensamento e de direção visando o bem  viver geral.

Trata-se apenas do começo de uma nova etapa da história, a etapa da Terra unida com a Humanidade (que é a expressão consciente da Terra). Ou a etapa da Humanidade (parte da Terra) unida à  própria Terra, constituindo juntas uma única entidade una e diversa chamada de Gaia ou de Grande Mãe.

Estamos vivendo agora a idade de ferro da noosfera, cheia de contradições. Mas mesmo assim, cremos que todas as forças do universo conspiram para que  ela se firme. Para ela está marchando nosso sistema solar, quem sabe a inteira galáxia e até este tipo de  universo, pois, segundo a teoria das cordas, pode haver outros, paralelos. Ela é frágil e vulnerável mas carregada de novas energias, capazes de moldar um novo futuro. Talvez a noosfera seja agora somente uma chama tremulante. Mas ela representa o que deve ser. E o que deve ser tem força. Tende a se realizar.

Leonardo Boff é autor de A nova era: a civilização planetária, Record 2008.

 

Chegou Windows 7. Agora com exibição de redes sem fio. Conheça.

Miséria na cultura: decepção e depressão

Leonardo Boff
Teólogo
                                

Em 1930 Sigmund Freud escreveu seu famoso livro "O mal-estar na cultura"e já na primeira linha denunciava: "no lugar dos valores da vida se preferiu o poder, o sucesso e a riqueza, buscados por si mesmos". Hoje tais fatores ganharam tal magnitude que o mal-estar se transformou em miséria na cultura. A COP-15 em Copenhague trouxe a mais cabal demonstração: para salvar o sistema do lucro e dos interesses econômicos nacionais não se teme pôr em risco o futuro da vida e do equilíbrio do planeta já sob o aquecimento que, se não for rapidamente enfrentado, poderá dizimar milhões de pessoas e liquidar grande parte da biodiversidade.

A miséria na cultura, melhor, miséria da cultura se revela por dois sintomas verificáveis mundo afora: pela generalizada decepção na sociedade e por uma profunda depressão nas pessoas. Elas têm razão de ser. São conseqüência da crise de fé pela qual está passando o sistema mundial. De que fé se trata? A fé no progresso ilimitado, na onipotência da tecno-ciência, no sistema econômico-financeiro com seu mercado como eixos estruturadores da sociedade. A fé nesses deuses possuía seus credos, seus sumos-sacerdotes, seus profetas, um exército de acólitos e uma massa inimaginável de fiéis.

Hoje os fiéis entraram em profunda decepção porque tais deuses se revelaram falsos. Agora estão agonizando ou simplesmente morreram. Os G-20 em vão procuram ressuscitar seus cadáveres. Os professantes desta religião de fetiche, agora constatam: o progresso ilimitado devastou perigosamente a natureza e é a principal causa do aquecimento global; a tecnociência que, por um lado tantos benefícios trouxe, criou uma máquina de morte que só no século XX matou 200 milhões de pessoas e hoje é  capaz de erradicar toda a espécie humana; o sistema-econômico-financeiro e o mercado foram à falência e se não fosse o dinheiro dos contribuintes, via Estado,  teriam provocado uma catástrofe social. A decepção está estampada nos rostos perplexos dos lideres políticos, por não  saberem mais em quem crer e que novos deuses entronizar. Vigora uma espécie de nhilismo doce.

Já Max Weber e Friedrich Nietszche haviam previsto tais efeitos ao anunciarem a secularização e a morte de Deus. Não que Deus tenha morrido, pois um Deus que morre não é "Deus". Nietszche é claro: Deus não morreu, nós o matamos. Quer dizer, Deus para a sociedade secularizada não conta mais para a vida nem para coesão social. Em seu lugar entrou um panteão de deuses, referidos acima. Como são ídolos, um dia,  vão mostrar o que produzem: decepção e morte.

A solução não reside simplesmente na volta a  Deus ou à religião. Mas em resgatar o que eles significam: a conexão com o todo, a percepção de que o centro deve ser ocupado pela vida e não pelo lucro e a afirmação de valores compartidos que podem conferir coesão à sociedade.
 A decepção vem acolitada pela depressão. Esta é um fruto tardio da revolução dos jovens dos anos 60 do século XX. Ai se tratava de impugnar uma sociedade de repressão, especialmente sexual e cheia de máscaras sociais. Impunha-se uma liberalização generalizada. Experimentou-se de tudo. O lema era: "viver sem tempos mortos; gozar a vida sem entraves". Isso levou a supressão de qualquer intervalo entre o desejo e sua realização. Tudo tinha que ser na hora e rápido.

Disso resultou a quebra de todos os tabus, a perda da justa-medida e a completa permissividade. Surgiu uma nova opressão: o ter que ser moderno, rebelde, sexy e o ter que desnudar-se por dentro e por fora. O maior castigo é o envelhecimento. Projetou-se a saúde total, padrões de beleza magra até a anorrexia. Baniu-se a morte, feita espantalho.

Tal projeto, pós-moderno, também fracassou, pois não se pode fazer qualquer coisa com a vida. Ela possui uma sacralidade intrínseca e limites. Uma vez rompidos, instaura-se a depressão. Decepção e frustração são receitas para a violência sem objeto, para o consumo elevado de ansiolíticos e até para o suicídio, como vem ocorrendo em muitos países.

Para onde vamos? Ninguém sabe. Somente sabemos que temos que mudar se quisermos continuar. Mas já se notam por todos os cantos, emergências que representam os valores perenes da "condição humana". Precisa-se fazer o certo: o casamento com amor, o sexo com afeto, o cuidado para com a natureza, o ganha-ganha em vez do ganha-perde, a busca do "bem viver", base para a felicidade que hoje é fruto da simplicidade voluntária e de querer ter menos para ser mais.

Isso é esperançador. Nessa direção há que se progressar.

 
Leonardo Boff é autor de Virtudes para um outro mundo possível (3 vol.) Vozes 2008.
 




Quer fazer um álbum íncrivel? Conheça o Windows Live Fotos clicando aqui.

A hora e a vez da ecologia mental

Leonardo Boff
Teólogo
                                                

No dia 2 de fevereiro de 2007 ao ouvir em Paris os resultados acerca do aquecimento global dados a conhecer pelo Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas (IPCC) o então Presidente Jacques Chirac disse:"Como nunca antes, temos que tomar a palavra revolução ao pé da letra. Se não o fizermos o futuro da Terra e da Humanidade é posto em risco". Outras vozes já antes, como a de Gorbachev e de Claude Levy Strauss pouco antes de morrer. advertiam: "ou mudamos de valores civilizatórios ou a Terra poderá continuar sem nós".
Esse é o ponto ocultado nos forums mundiais, especialmente o de Copenhague. Se for reconhecido abertamente, ele implica uma autocondenação do tipo de produção e de consumo com sua cultura mundialmente vigente. Não basta que o IPCC diga que, em grande parte, o aquecimento agora irreversível é produzido pelos seres humanos. Essa á uma generalização que esconde os verdadeiros culpados: são aqueles homens e mulheres que formularam, implantaram e globalizaram o modo de produção de bens materiais e os estilos de consumo que implicam depredação da natureza, clamorosa falta de solidariedade entre as atuais e as futuras gerações.
Pouco adianta gastar tempo e palavras para encontrar soluções técnicas e políticas para a diminuição dos níveis de gases de efeito estufa se mantivermos este tipo de civilização. É como se uma voz dissesse: "pare de fumar, caso contrário vai morrer"; e outra dissesse o contrario: "continue fumando, pois ajuda a produção que ajuda criar empregos que ajudam garantir os salários que ajudam o consumo que ajuda aumentar o PIB". E assim alegremente, como nos tempos do velho Noé, vamos ao encontro de um dilúvio pré-anunciado.
Não somos tão obtusos a ponto de dizer que não precisamos de política e de técnica. Precisamos muito delas. Mas é ilusório pensar que nelas está a solução. Elas devem ser incorporadas dentro de um outro paradigma de civilização que não reproduza as perversidades atuais. Por isso, não basta uma ecologia ambiental que vê o problema no ambiente e na Terra. Terra e ambiente não são o problema. Nós é que somos o problema, o verdadeiro Satã da Terra quando deveríamos ser seu Anjo da Guarda. Então: importa fazer, consoante Chirac, uma revolução. Mas como fazer uma revolução sem revolucionários?
Estes precisam ser suscitados. E que falta nos faz um Paulo Freire ecológico! Ele sabiamente dizia algo que se aplica ao nosso caso:"Não é a educação que vai mudar o mundo. A educação vai mudar as pessoas que vão mudar o mundo". Precisamos destas pessoas revolucionárias, caso contrario, preparemo-nos para o pior, porque o sistema imperante é totalmente alienado, estupificado, arrogante e cego diante de seus próprios defeitos. Ele é a treva e não a luz do túnel em que nos metemos.
É neste contexto que invocamos uma das quatro tendências da ecologia (ambiental, social, mental, integral): a ecologia mental. Ela trabalha com aquilo que perpassa a nossa mente e o nosso coração. Qual é a visão de mundo que temos? Que valores dão rumo à  nossa vida? Cultivamos uma dimensão espiritual? Como nos devemos relacionar com os outros e com a natureza? Que fazemos para conservar a vitalidade e a integridade de nossa Casa Comum, a Mãe Terra?
Não dá em poucas linhas traçar o desenho principal da ecologia mental, coisa que fizemos um inúmeras obras e vídeos. O primeiro passo é assumir o legado dos astronautas que viram a Terra de fora da Terra e se deram conta de que Terra e Humanidade foram uma entidade única e inseparável e que ela é parcela de um todo cósmico. O segundo, é saber que somos Terra que sente, pensa e ama, por isso homo (homem e mulher) vem de húmus (terra fecunda). O terceiro que nossa missão no conjunto dos seres é de sermos os guardiães e os responsáveis pelo destino feliz ou trágico desta Terra, feita nossa Casa Comum. O quarto é que junto com o capital natural que garante nossa bem estar material, deve vir o capital espiritual que assegura aqueles valores sem os quais não vivemos humanamente, como a boa-vontade, a cooperação, a compaixão, a tolerância, a justa medida, a contenção do desejo, o cuidado essencial e o amor.
Estes são alguns dos eixos que sustentam um novo ensaio civilizatório, amigo da vida, da natureza e da Terra. Ou aprendemos estas coisas pelo convencimento ou pelo padecimento. Este é o caminho que a história nos ensina.

 Leonardo Boff é autor do DVD As quatro ecologias, CDDH de Petrópolis 2009.
 




Quer conexões de rede mais fácil? Clique e conheça o Windows 7.